Comment se comprendre entre étrangers ?

Lorsque l’on part à l’étranger, et pour beaucoup de gens en Angleterre, que ce soit pour le travail, en Erasmus dans le cadre d’un stage ou juste pour faire du tourisme, on peut être amené à rencontrer des personnes venant d’autres pays. Au cours des conversations, il devient donc parfois difficile de se comprendre. Cependant, dès les premiers échanges, des techniques de communication se mettent en place.

Une expérience à l’étranger réunit des personnes de différents horizons, de cultures et de passés différents. C’est pour ces raisons qu’au début il est si compliqué de se comprendre. La langue dans laquelle se font les échanges est tout naturellement l’anglais, langue internationale. Chacun maîtrise cette langue avec plus ou moins de facilité. En effet, certain sont bilingues grâce à leurs expériences passées, d’autres ont un niveau scolaire et les derniers n’ont que quelques notions de base. Ces différences se font sentir lors de toute conversation, même basique. Parfois, un problème de compréhension peut surgir puisque chacun pense dans sa propre langue avant de parler. Les phrases sont construites sur le même schéma que dans notre langue maternelle donc lorsque l’on veut dire quelque chose en particulier, comme une expression par exemple, on la transcrit mot à mot. Mais, on oublie souvent que nos expressions ne se valent pas toujours dans les autres langues. Cela aboutit, dans beaucoup de cas, à des incompréhensions mais également à des fous rires mémorables.
Vivre en communauté avec des étrangers va donc vous apprendre à mettre en place, volontairement ou non, des techniques de communication pour pouvoir avoir une meilleure compréhension des autres. Beaucoup de choses passeront par le langage des mains, que ce soit pour designer des objets ou pour exprimer une émotion. Ensuite, lorsqu’un mot manque, la technique utilisée est de le définir avec d’autres mots. Enfin, en dernier recourt, dire le mot dans sa propre langue peut s’avérer être une bonne solution. En effet, les pays d’Europe ont des origines linguistiques communes donc quelques fois les mots sont similaires ou ont une forte ressemblance.

Si vous partez à l’étranger n’ayez pas peur de ne pas vous faire comprendre ou de ne pas comprendre les autres. Il y a de nombreux moyens de communiquer avec les autres et ces techniques de communication se mettront en place d’elles-mêmes. Et c’est ensuite à force de faire l’effort de comprendre les autres que vous finirez par améliorer votre vocabulaire et votre manière de parler, principalement en anglais.

Comment se passent les stages en France ?

Un stage est ce qui permet à l’étudiant d’appliquer tous les cours théoriques appris à l’école, dans un nouveau contexte qui est le monde du travail. Cela afin d’avoir, pour la majorité, une première expérience professionnelle reliée à leur cursus pédagogique. D’ailleurs, depuis le 09 septembre 2010, seuls les stages avec une convention tripartite – entre un étudiant, une entreprise et un établissement d’enseignement – sont acceptés.

Il faut donc obligatoirement une convention où seront relayées toutes les informations du stage : les dates de début et de fin, la durée du stage, l’horaire hebdomadaire, le programme du stage avec les tâches à effectuer et les objectifs. Mais également le montant de la gratification, la couverture sociale, les assurances et le nom du tuteur.

La durée dépend bien évidemment du contexte d’études (CAP, BTS, Bac Pro, école de commerce…). De plus, pour un stage facultatif, il ne peut pas dépasser les six mois (article 9 de la loi pour l’égalité des chances). La loi n’a cependant pas encore statué concernant les stages obligatoires.

Concernant la rémunération, on parle ici d’une gratification et non d’un salaire. Celle-ci est facultative pour les stages inférieurs à deux mois mais pas impossible, il faut donc négocier ce point avec l’employeur. En revanche, au delà de deux mois, elle est obligatoire. Le montant se fixe en fonction de la convention collective de l’entreprise. S’il n’y en a pas, c’est le montant de la gratification maximum qui s’applique. En 2013, celui-ci était fixé à 2,875 euros, soit 436,05 par mois pour un travail hebdomadaire de 35 heures. Si le stage se prolonge, il y a obligation pour le recruteur de verser au stagiaire un rappel des gratifications des deux premiers mois.

Il faut savoir que le stagiaire continue de bénéficier de la protection sociale à laquelle il a choisi de se rattacher lors de son inscription pédagogique. Mais il vaut mieux souscrire une assurance complémentaire couvrant les risques d’accidents et la responsabilité civile. De plus, le stagiaire a droit aux mêmes règles du code du travail que les autres salariés de l’entreprise (durée du travail, au repos hebdomadaire, protection contre les discriminations et harcèlements).

Le stagiaire n’a cependant pas droit aux congés payés car il n’a pas le statut de salarié et son contrat n’est pas un contrat de travail. Par contre, il est envisageable de prendre des jours de vacances si c’est un stage qui se prolonge ou à longue durée, il faut encore une fois en parler avec l’employeur.

Pour les stagiaires étrangers venus effectuer leur stage en France, il y a quelques démarches supplémentaires à faire, mais rien de vraiment compliqué. Le stagiaire peut ainsi recevoir une carte de séjour temporaire portant la mention « stagiaire ». Mais pour cela, il y a des conditions : il doit effectuer un stage en entreprise dans le cadre d’une formation organisée dans son pays de résidence relevant d’un cursus scolaire ou universitaire, d’une formation professionnelle ou encore d’un programme de coopération de l’Union Européenne ou intergouvernemental.

Enfin, il est important de rappeler que le stage n’est en aucun cas un moyen pour le recruteur de substituer ou remplacer un emploi. En cas d’abus ou de litige, il ne faut pas hésiter à faire appel au Conseil des Prud’hommes pour requalifier votre CDD en CDI ou encore à l’URSSAF.

Les stagiaires sont vraiment bien entourés et protégés en France donc vous êtes sûr d’avoir quelqu’un qui vous écoutera en cas de problème.

What are internships in France like?

Internships enable students to apply all the theory they have learned at school in a new context: the working world. The purpose is to gain their first work experience related to their career. Moreover, since the 9th September 2010, only internships within the framework of a tripartite convention (between a student, an enterprise and an educational institution) are legal.

For this reason, an agreement in which all the information of the internship is relayed is now required: start and end dates, internship’s duration, weekly working time and the internship’s programme including the tasks and the targets. Also the amount paid, social security, insurance and the name of your tutor.

The duration of your internship will depend of course on your studies (Certificate d’Aptitude Professionnelle -CAP-, Brevet de Technicien Supérieur -BTS-, professional baccalaureate, business school…). In addition, in the case of an optional internship, it cannot last more than six months (article 9 of law nº2006-396 pertaining to the equality of opportunity). However, there is nothing written about mandatory internships.

Regarding the remuneration, there is no salary but rather a gratuity which is optional for internships which last less than two months – you can negotiate it with the employer. On the contrary, it is compulsory for internships which last more than two months. The quantity is set depending on the enterprise agreement. If there is not any agreement, the enterprise has to pay the maximum amount – which since 2013 is 2.875 euros, meaning 436.05 euros per month if you work 35 hours a week. If the internship is extended, the employer is obliged to pay the intern the money of the first two months.

The intern still benefits from the social security he purchased when he registered in university. Nevertheless, it is recommended to purchase supplementary insurance for accident and liability risks. Moreover, the intern has the right to have the same working rights as the other employees at the company (working time, weekly rest, protection against discrimination and harassment, etc.).

Yet, the intern is not entitled to paid holidays since he has neither an employed status nor an employment contract. On the contrary, it is possible to take days off if your internship extends or if it is a long-term internship – but, again, you have to talk to your employer.

Foreign interns have to take some extra steps in organising a placement– nothing too complicated though. The intern can also receive a temporary residence card bearing the words “intern”. In order to obtain it, the intern must perform an internship in an enterprise within the framework of a training programme in his home country under a school or university programme, vocational training, a European Union cooperation programme or an intergovernmental programme.

Finally, it is important to remember that an internship cannot in any circumstances replace remunerated employment. In the event of abuse or dispute, do not hesitate to appeal to the “Conseil des Prud’hommes” (labour tribunal) or even the URSSAF in order to transform your CDD (fixed-term contract) into a CDI (open-ended contract).

Interns are very well protected in France so you are always going to find someone to assist you if you have any problems.

How to break down language barriers?

When you go abroad, whether it is for work, with Erasmus as part of an internship or just for sightseeing, that you will meet people from other countries is an unavoidable truth. During conversations with these people, it may be difficult to understand each other. However, in the early exchanges, communication techniques can be employed to help solve this problem.

An experience abroad connects people from different belief systems, cultures and backgrounds. That is why it is so hard to build a mutual understanding in the beginning. The language in which exchanges are made is naturally English, the international language or lingua franca. A great number of the present travelling population have learnt this language to a more or less functional proficiency. Indeed, some people are bilingual thanks to certain past experiences, others are at a school level and the many have only a grasp of the fundamentals. These differences are apparent during every conversation, even the basic ones. Sometimes, a comprehension problem can occur because everyone involved is thinking in his native language before talking. In this way, we construct sentences using the same syntax, or sentence structure, as that of our mother tongue, so when we want to use a relatively idiomatic expression for example, we translate it word for word. But, we often forget that expressions are not always the same in each language. This leads in many cases to misunderstandings as well as to memorable giggles.

Living in a foreign community with strangers will teach you to build up, whether consciously or not, communication techniques to help you gain a better comprehension of others and establish relationships with them. Much of this will rely on faux sign language and gesticulations used to point out or mimic objects, or to express an emotion. Later, when a word is missing from your vocabulary, the technique often used is to define it using other words you know. Finally, a last resort is to say the word in your own language – often a surprisingly effective solution. Indeed, European countries have common linguistic origins so sometimes words are similar or bear a strong resemblance.

If you go abroad do not be afraid of being misunderstood or not understanding others. There are numerous ways to communicate with others with whom you don’t share a common (native) language and these communication techniques will establish themselves over time. Then through making the effort to understand others,you will finally improve your vocabulary style of talking and communicating – mainly in English naturally.

¿Cómo se planea un seminario? Consejos para principiantes

La vida en la oficina es más que sentarse delante del ordenador. Los seminarios son una buena posibilidad para escuchar la opinión de otra gente y para recibir comentarios, así como para enseñar a los participantes habilidades prácticas, técnicas o ideas que puedan usar no solo en el trabajo sino también en su vida cotidiana.
Los seminarios crean una experiencia educativa en poco tiempo y son instrumentos muy útiles en caso de que ciertas circunstancias surjan, como el inicio de algo nuevo, la demostración de un nuevo concepto, la formación inicial de los empleados y de los voluntarios y para hablar de cómo se está evolucionando. Si tienes que hacer tu primer seminario no te pongas nervioso. ¡Aquí hay algunos consejos para ayudarte a prepararlo bien!

Si los seminarios no se hacen bien, son una pérdida de tiempo, por lo tanto tienes que pensar en los siguientes puntos cuando planeas hacerlos:

#1 Objetivos: Cada seminario tiene que tener un objetivo en el que te centres; si no, no habría razón para reunirse a la gente.

#2 Participantes: El grupo diana está directamente relacionado con tu objetivo, por lo que tienes que ser específico cuando decidas quien asistirá, pero deja algunas plazas libres para incorporaciones de última hora.

#3 Lugar: Tienes que ser consciente del número de participantes que vas a tener, la logística que quizás necesites y los detalles prácticos, como la visibilidad del soporte visual.

#4 Orden del día: Después de tener claros los primeros puntos, puedes empezar a desarrollar un guión para lograr tus objetivos. Tienes que registrar los puntos principales de tu seminario con los detalles que quieras comunicar al público, anotar el soporte visual (en caso de que lo uses) y ser específico sobre los detalles de las discusiones en grupo y las actividades considerando el tiempo disponible.

#5 Plan de seguimiento: es muy importante que averigües las opiniones de los participantes sobre tu seminario. Aunque a veces no sean positivas, te ayudarán a aprender de tus errores y a mejorar para la próxima vez. Otro punto importante es tener una idea sobre cómo comunicar los decisiones que se han tomado en el seminario. Si el objetivo principal es tomar una decisión sobre algo, dten en cuanta que cuantos más participantes haya, menos probable será alcanzar una decisión. Por ello,tienes que reducir tu público y ser selectivo.

Una vez que has resuelto estos puntos y tengas un plan sólido, lo único que falta es añadir emoción a tu actividad, ya que involucrar a los participantes es la clave para un seminario exitoso. En caso de que quieras dividirlos en grupos, es muy importante que combines diferentes tipos de personas en cada uno. También date cuenta de que algunas personas se ponen nerviosas si tienen que hablar en público, por eso —para que se sientan más cómodos al interactúar— puedes hacer grupos pequeños.

En conclusión: siempre tienes que concentrarte en el objetivo principal de tu seminario. No te olvides de haceractividades creativas para ayudar a la gente a relajarse y a animarla a participar. En el plan de seguimiento podráscorregir los pequeños errores que hayas hecho. Y recuerda: cuanto más detallado sea el plan, más probabilidades hay de que el seminario esté preparado a tiempo y tenga éxito.

Porque não um estágio em Espanha?

Vamos a falar sobre estágios em Espanha. Como eles são? Como eles funcionam? Eles são como em Reino Unido o em qualquer outro paìs europeu?

Antes 1992, estágios solmente existiram no domínio da educação o medicina. Desde então, eles foram integrados em a maioridade dos cursos e são muito mais frequentes. Em Espanha, um estágio não tem a mesma significação que em França o em Alemanha. De fato, estágios seguem um plano de estudos feito antes da graduação, e combina conhecimentos ambos téoricos e práticos pelo fornecer o estudante com uma experiência. É por isso que a maioridade de universidades incluem um estágio obrigatório.

Tu podes achar dois tipos de estágios:
Estágios para estudantes: Eles são obrigatórios, organizados pelos universidades e são regulados pelo um acordo (convenio) entre a universidade e a empresa com o « Programas de Cooperación Educativa ». Um mentor é escolhido para ajudar o estagiário na empresa, e um outro pela universidade. De modo geral, os estagiários são pagados, mas é possível para a empresa dar compensações economicas, na forma de sovenções. Estagiários são coberto por um seguro de estudante, e por o seguro complementaro da universidade. O estudante nunca será considerado como um empregado real.

Estágio por jovens licenciados numa iniciativa estudante: Na verdade, a legislação espanhola não tem nenhum lei sobre este tipo de estágio. Eles são feito através um acordo tripartido proposto pela universidade, associação o programos. Por exemplo, a Universidade Pública de Navarra,
Diálogo associação e Eurodyssée Programo. É possível propor um acordo mútuo com o empregador e comprar um seguro pessoal, mas isso não acontece muitas vezes e normalmente as empresas pedem um acordo. Estes estágios são pagados como bolsa de estudos e o estagiário não tem nenhum trabalho oficial então não há nenhum relação contratual. É importante não confusar estes postos com os abrigos de um contrato de estágio (Contrato de Prácticas) que são muito comúns para os jovens licenciados, do que tu pagas segurança social e do que tu recebes um sálario fixado.

Horas de trabalho em Espanha são diferentes dos outros países: dias de trabalho acabam mais tarde (7:00 o 8:00); almoços começam a 14:00; e a semana de trabalho é de 40 horas em total.

Algumas dicas se tu queres te candidatar para um estágio:
Teu CV é mais importante que tua carta de apresentação. Então tu deves escrever um bom CV. Ele deve ser breve (não mais de uma página), simplo, claro e preciso. O objetivo é obter uma entrevista profissional. Fazes cuidado com os erros ortográficas porque os espanholes são muito exigentes com isso.

Agora tu és pronto para um estágio em Espanha. Mas uma última e eficaz dica antes ir lá: não esqueces ser ti mesmo e sorrer.

COMO ESCREVER UMA CARTA DE APRESENTAÇÃO EXCEPCIONAL

Se estás candidatado a um trabalho, é muito importante ser consciente da importância duma perfeita carta de apresentação. Ela é o complemento do teu CV, é a perfeita oportunidade para destacar teus pontos fortes e fornecer exemplos reais que apoiarão tuas abilidades para este trabalho. Algums recrutadores salientam a carta de apresentação mais que o CV então tu deves levar tempo para escrever-lo.

Tu deves sempre incluir uma carta de apresentação quando enviando um CV. Uma bom carta vai chamar a atenção do recrutador desde o início e ele será mais interessado para ler tua candidatura minuciosamente, e decidir entrar em contato com ti por uma entrevista.

Tua carta deve dar o recrutador uma idéia sobre tu, e explicar quales abilidades tu podes trazer. Tu deveriás explicar também porque tu és interessado em suas atividades, e em particular o papel que eles ofrecem. Mostrar um interesse verdadeiro ajuda-te se destacar dos outros candidatos.

Tua carta é um documento pessoal e único ao trabalho que estás candidatado. É por isso que é importante assegurar-se que as cartas de apresentação relatam especificamente cada posição que estás candidatado. Tu deves tornar-lo pessoal e evitar escrever cartas idênticos. Fazes cada carta única e personalizada.

Tu deves também usar o carta de apresentação para colmatar as lacunas no teu CV, como desemprego, anos sabáticos tempo levando a viajar. É uma bom oportunidade falar sobre estas experiências e sobre o que tu aprendeste delas.

Na tua carta, deves ser claro e profissional, e usar uma linguagem apropriada. Cada empresa é diferente, não solmente na suas organisações, mas também na suas culturas. Uma parte importante em adaptar tua carta a uma organisação é encontrar o correcto equilíbrio. Isso seriá uma bom idéia usar o mesmo tamanho da fonte na tua letra e CV, então ambos parecerão simples e profissionais.

É essencial também manter tua letra corta e que vai direito ao assunto. Como um bom ponto de partida, tu podes endereçar a correta pessoa, para chamar a atenção do recrutador e dar uma bom impressão. Tu deves assegurar-te que a letra é endereçado com o bom título e com seu nome escrito corretamente. Começas uma forte frase de abertura, explicando porque queres esta posição e como entusiasta és para pegar este trabalho. Tu deves mostrar motivação e entusiasmo na tua letra.

Explica porque tu crês que és a boa pessoa para a empresa, e o que lhe faz muito motivado para trabalhar com eles. Mostras que és acostumbrado com a organisação e suas atividades. Tu podes também explicar que és entusiasta com trabalhar pelo eles, por exemplo porque tu partilhas tuas valores de trabalho, tua cultura o teu estilo. Tu podes também comentar algo positivo sobre a organisação. Tu podes mentionar a reputação da empresa, a gestão, os recordes de ventas, a qualidade dos produtos o qualquer outro elemento que te deixou tão impressionado.

Tu deveriás demonstrar que fizeste pesquisas sobre a empresa e que és consciente sobre as abilidades que eles querem, e provar que podes fornecer-los. A carta de apresentação é a perfeita oportunidade fornecer mais detalhes sobre tuas mais pertinentes abilidades e conquistas. Tu queriás incluir exemplos reais das vezes quando utilizaste estas abilidades o como uma experiência em particular ajuda-te com desenvolver-los. Destacas qualquer conquista principal, como a conclusão de um curso de formação, promoções, prémios a empresas, o qualquer outro prémio o reconhecimento recebido.

O último parágrafo da tua letra é muito importante e deve dar o recrutador uma impressão positiva. Tu podes acabar com explicar brevemente como tuas experiências antigas ajudarão-te com esta posição.

Uma vez que acabaste tua carta, é essencial controlar os erros gramáticas e ortográficas. Uma bom idéia será perguntar alguém verificar-lo outra vez, para ter uma perspetiva diferente e receber suggestões para melhorar-lo.

Agora que tens tudo o que precisas, tu podes começar escrever tua carta de apresentação excepcional, que vai te ajudar a se destacar dos outros candidatos e pegar o trabalho de seus sonhos.

Boa Sorte!!

Planejando um Workshop? Dicas para iniciantes

A vida no escritório é mais que solmente sentar-se em frente à um computador. Os workshops são uma bom maneira ouvir os pontos de vistas das pessoas e receber feedback, assim como ensinar abilidades práticas, técnicas, o idéias que eles podem usar, não solmente no trabalho, mas também no seus cotidianos. Os workshops criam uma experiência educacional em pouco tempo e são instrumentos útiles quando algumas circunstâncias surgem, como o começou dalguma coisa noiva, a demonstração dum conceito noivo, uma formação inicial da equipa e dos voluntários, e a atualização de seus desenvolvimentos. Se estás confrontado com teu primeiro workshop, não entras em pânico, aqui há alguns dicas para te ajudar a preparar um bom!

Quando não preparados bem, os workshops podem ser uma perda de tempo e dinheiro, então tu deves tomar contas destes seguintes pontos no teu planejamento:

#1 Objetivos: Cada workshop deve ter um objetivo do que tu focas, no caso contrário. Não há razão nenhuma para reunir as pessoas.

#2 Participantes: Teu grupo-alvo é direitamente relacionado com teu objetivo então sê específico quando decidido quem vai atender-lo, mas deixa algum espácio para acréscimos de última hora.

#3: Lugar: Tu deves ser consciente sobre o número das pessoas que atendem teu workshop, a logística que precisarás e os detalhes práticos como a visibilidade dos recursos visuais.

#4 Agenda: depois clarificar os pontos anteriores, tu podes começar desevolver um resumo dos objetivos a alcançar. Tu deverás destacar os pontos principais do workshop com detalhes a communicar ao público, listar os recursos visuais que queres usar se há algums, e ser specífico sobre os detalhes das atividades e discussões de grupo, considerando o tempo disponível.

#5 Plano de acompanhamento: É essencial conhecer as opinões dos participantes sobre o workshop. Mesmo que as vezes eles não são positivas, eles te ajudarão aprender dos erros e melhorar-te por a próxima vez. Um outro ponto importante é ter um plano para comunicar as decisões que foram tomadas durante o workshop. E se teu último objetivo é tomar uma decisião sobre algo, lembras-te que quanto mais vós sois, menos provável tu vais conseguir, então tu deves reduizir teu público e ser selectivo.

Uma vez que figurado estes pontos, tu deves ter um plano sólido, tua única preocupação será adicionar agluma excitação na tua atividade, porque manter-los envolvido é essencial para um workshop. Se tu organizas um evento em separar as pessoas em grupos, é importante misturar os váriosos tipos de pessoas em cada grupo. Também, guardas em mente que algumas pessoas são nervosas quando falando em frente à um público, então, para fazer-los se sentir comfortáveis interagindo, tu deves manter pequenos grupos.

Para concluir, o centro de teu planejamento deve ser o objetivo principal do workshop. Não esqueces manter os exercícios criativos para ajudar todos a relaxar e encorajar-los a ser envolvidos, e depois no acompanhamento tu serás capaz corrigir algums erros que podes ter. E lembras-te disso, quanto mais detalhado teu plano é, mais asseguro teu workshop será na hora e bem sucedido.

Come sono i tirocini in Spagna?

Parliamo dei tirocini in Spagna. Come sono? Funziona allo stesso modo che nel Regno Unito o negli altri paesi d’Europa?

Prima del 1992 i tirocini esistevano solo nei campi dell’istruzione e della medicina. Da allora sono stati integrati nella maggior parte dei corsi e gli studenti vanno a farli molto più spesso. In Spagna, il tirocinio non è la stessa cosa della Francia o della Germania. Infatti, i tirocini fanno parte del curriculum e combinano teoria e pratica, fornendo un po’ di esperienza. Per questo la maggior parte delle università incorporano nel corso di studi un tirocinio obbligatorio.
Puoi trovare due tipi di tirocinio:
• Tirocini per studenti: sono obbligatori, organizzati dalle università e regolati con un accordo tra l’università e l’azienda. Ad ogni studente è assegnato un tutor dall’azienda e un altro dall’università. Generalmente, gli studenti ricevono uno stipendio, ma è anche possibile ricevere una borsa di studio per compensare le spese. Il tirocinante ha l’assicurazione dello studente e un’altra supplementare dall’università. Il tirocinante non sarà mai considerato come un vero impiegato.

• Tirocini per laureati giovani: non c’è nessuna legge su questo tipo di tirocinio. Di solito questo tirocinio si fa attraverso un accordo tripartito proposto dall’università o da un’associazione come l’Università Pubblica di Navarra, Diálogo Associazione e il programma Eurodyssée. È possibile proporre un accordo mutuo con il datore di lavoro e comprare un’assicurazione individuale, ma questo non succede molto spesso. I tirocinanti ricevono borse di studio ma non mantengono ufficialmente il lavoro, quindi non c’è nessuna relazione contrattuale. È anche importante non confondere questa posizione con un contratto di tirocinio, molto comune tra i giovani laureati: nel primo caso paghi alla previdenza sociale, nel secondo caso ricevi uno stipendio.

In Spagna l’orario di lavoro è diverso dagli altri paesi: i giorni lavorativi finiscono più tardi (verso le 7 o 8 di sera); la pausa pranzo inizia verso le 2 e finisce alle 5; la settimana lavorativa è in tutto di 40 ore.

Alcuni consigli se vuoi fare domanda:
Il tuo CV sarà più importante della tua lettera d’accompagnamento. Quindi prova a scrivere un buon CV (1 o 2 pagine) in una maniera chiara, semplice e precisa. Lo scopo, naturalmente, è essere chiamato a fare un colloquio. Fai attenzione agli errori d’ortografia perché gli spagnoli sono molto esigenti per questo.
Adesso sei pronto per fare un tirocinio in Spagna. L’ultimo man non meno importante consiglio: non dimenticare di essere te stesso e sorridi.

Come scrivere una buona lettera d’accompagnamento?

Se fai domanda per un lavoro è essenziale sapere quanto è importante una buona lettera d’accompagnamento. La lettera d’accompagnamento è un complemento del CV in cui puoi sottolineare punti chiave del tuo resumé e fornire alcuni esempi che supportino le tue abilità per il lavoro. Alcuni reclutatori prestano più attenzione alla lettera d’accompagnamento che al CV, quindi dovresti dedicare più tempo a scriverla.
Bisogna sempre includere la lettera d’accompagnamento quando mandi il tuo CV per un datore di lavoro allo scopo di attirare l’attenzione sin dall’inizio in modo che lo legga e decida di fare un colloquio con te.
La tua lettera d’accompagnamento dovrebbe dare un’idea di chi sei, spiegare quali abilità potresti portare nel lavoro. È anche importante dire perché ti interessa il loro commercio e la posizione che ti viene offerta. Mostrare interesse ti aiuta a spiccare tra gli altri candidati.
La lettera d’accompagnamento è un documento che è diverso per ogni lavoro a cui fai domanda e per questo è importante adattarlo in modo che si accordi con ogni lavoro. Inoltre, questa lettera dovrebbe essere personale, ma evita di scriverle identiche per lavori diversi. Rendi ogni lettera personalizzata e unica. Nel CV dovresti anche giustificare ogni buco come la disoccupazione o il tempo speso in viaggi. È una buona opportunità per parlare di queste esperienze e di che cosa hai imparato durante questo tempo.
La lettera d’accompagnamento dovrebbe sembrare professionale ed essere scritta con un linguaggio appropriato. Ogni impresa è diversa: non solo gli obiettivi ma anche la cultura, quindi è molto importante assicurarsi che la tua lettera sia adatta per l’organizzazione e sia scritta con un registro appropriato. Un’altra buon idea è usare lo stesso carattere nella lettera e nel CV per sembrare più professionale.
Oltretutto, è essenziale mantenere il tutto il più corto possibile e andare dritto allo scopo. Un buon inizio è indirizzare questa lettera alla persona giusta, attrarre l’attenzione del reclutatore e allo stesso tempo fare una buona prima impressione. Prima di mandare la lettera dovresti anche assicurarti di avere scritto il nome del reclutatore correttamente. Utilizza una frase d’apertura forte, spiega perché questo lavoro sembra appassionante e i motivi per cui vorresti farlo. Dovresti mostrare motivazione ed entusiasmo.
Spiega perché sei la persona giusta per l’azienda e perché sei motivato a lavorarci. Mostra che conosci l’azienda e sai di che cosa si occupa. Potresti anche spiegare che sei molto eccitato a lavorare lì perché condividi gli stessi valori, la stessa cultura e lo stesso stile. Puoi anche fare un complimento sull’organizzazione menzionando la reputazione, il management, la qualità dei prodotti o gli altri fattori che ti impressionano. La lettera dovrebbe anche dimostrare che hai fatto una ricerca sull’azienda e che hai le qualità che cercano. La lettera d’accompagnamento è un’ ottima opportunità per fornire dettagli sui tuoi successi recenti. Puoi includere esempi su quando e come hai usato queste qualità particolari e come questa esperienza ti ha aiutato a svilupparle. Sottolinea ogni traguardo: concorsi, corsi, promozioni, premi e altri riconoscimenti che hai ricevuto.
L’ultimo paragrafo della tua lettera d’accompagnamento dovrebbe lasciare un’impressione positiva su di te. Puoi concludere in breve spiegando come le esperienze del passato potrebbero aiutarti nel lavoro in futuro.
Quando finirai la lettera, controllala alcune volte per evitare gli errori grammaticali. Potresti chiedere a qualcun altro di leggere la tua lettera di nuovo per vedere tutto da una prospettiva diversa.
Adesso che hai tutto ciò di cui hai bisogno, puoi cominciare a scrivere la tua lettera d’accompagnamento perfetta e ottenere il lavoro dei tuoi sogni. In bocca al lupo!